Serviço x Egoísmo
Segunda-feira, 29 de Junho de 2020    19h44

Serviço x Egoísmo

Fonte: Voltemos ao Evangélio
Foto: Divulgação

 

Feituras dEle

“Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” (Efésios 2.10)

Fomos criados por Deus para glorificá-lo e nos alegrarmos nele para sempre. Uma forma pela qual exercemos esses chamados é servindo a Deus com os dons e talentos que Ele mesmo nos deu. Fomos vocacionados ao serviço, chamados por Deus para servir a Ele por meio de servir a Igreja e ao próximo.

“Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.” (1 Pe 4.10)

Somos feitos à imagem de Deus para adorá-lo, por isso, nossa alegria estará em andar conforme essa imagem. Adoramos ao Senhor por meio do nosso serviço. E pense, sendo nosso serviço feito para glória do nosso Senhor, em algum momento alguém poderá dizer “Já estou fazendo demais”? Claro que não defendo aqui nenhuma forma de ativismo idólatra; mas muitos fazem um pouquinho e, por não serem remunerados, acham que já fizeram demais. Você entende a qualidade de dedicação implícita em fazer as coisas para a glória de Deus? Você nunca estará fazendo demais pela igreja de Cristo. E, ainda assim, seu serviço com seus dons e talentos sempre será necessário para o corpo, e principalmente para você mesmo, para te tornar mais parecido com Cristo.

Fomos feitos para servir, e devemos estar sempre atentos a isso. A queda, entretanto, veio roubando esse desejo e mudou nossa disposição.

O Egoísmo

O que acontece na queda é que nós buscamos ser servidos.

O egoísmo é você considerar suas necessidades acima das dos outros. Imediatamente depois do pecado de Adão e Eva, cada um correu para se proteger. Adão colocou a culpa na mulher e Eva colocou a culpa na serpente. Alguns sugerem que ao dizer “a mulher que tu me deste”, Adão estaria inclusive colocando algo da culpa no próprio Deus. E eles imediatamente começaram a pensar em si mesmos e não no outro. 

“Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros.” (Filipenses 2.4)

Os resultados de não nos atentarmos para o que é dos outros são muitos, mas vou exemplificar aqui cinco reações pecaminosas e egoístas que você pode ter diante do serviço, vou me direcionar a você, e não a nós, para que você possa mesmo ir avaliando seu coração ao ler cada um desses:

1. Ao ter no coração que você foi feito para ser servido e não para servir, você deixa de ofertar seus dons e talentos por considerar que o serviço deve ter reciprocidade. Então, você trata o serviço até com ressentimento por você não ter se sentido servido nisso que você mesmo poderia estar servindo. Exemplos: “Não vou receber bem os irmãos, pois quando eu cheguei não recebi a atenção que eu acho que eu merecia!”; “Não vou chegar mais cedo para ajudar as montagens da igreja, pois tem pouca gente fazendo isso”. Se você estiver mais com a atitude de “o que a igreja pode fazer por mim”, do que a atitude de “o que eu posso fazer pela igreja”, isso evidencia que você está com o coração focado em ser servido.

2. Uma forma de serviço é com nossas ofertas e dízimos. O foco desse texto não é aprofundar nas muitas razões bíblicas para o dízimo, podemos fazer isso outra hora. Porém, eu trouxe esse ponto aqui especialmente por causa do momento que vivemos de isolamento social. O fato é: As contas a pagar da igreja e dos missionários continuam. Porém, estamos vendo, infelizmente, muitas igrejas passando por dificuldades financeiras por causa de irmãos que deixaram de contribuir com o dízimo por não estarem mais indo à igreja por causa do isolamento social. Isso acontece quando você pensa que pode parar de dizimar por não estar mais “sendo servido” pela igreja dominicalmente. Você sabe, existem vários motivos ilegítimos pelo qual você para de dizimar. Entende o resultado do egoísmo de achar que nós é que temos que ser servidos? Pastores estão sendo demitidos, missionários estão sem apoio, contas mensais que não param de chegar estão sendo penduradas.

3. Como vimos, a oferta que você faz, o dízimo, doações e caridade, é uma forma de servir. Porém, ela não exclui outros serviços necessários dos seus dons e talentos, do seu tempo. Seja aconselhando, preparando o salão, na música, no berçário ou nos projetos. Deus não disse para ofertarmos OU servirmos com nossos dons e talentos. Para algumas pessoas ofertar com seu dinheiro é muito mais difícil do que dedicar seus talentos aos irmãos. Já para outras pessoas, é muito mais fácil colocar o dízimo e a oferta no automático do banco e sua dificuldade está mesmo em dedicar tempo ao serviço, com seus dons e talentos. O dinheiro vem do trabalho suado, mas é também muito suado e desgastante dedicar tempo e atenção para com o outro, não é? Para avaliar o coração nesse ponto, vale se perguntar como você lidaria se o pastor te disse: “Estamos bem de dinheiro, preciso é que você dedique todo sábado para cuidar dos irmãos”.

4. Você pode idolatrar o serviço quando o faz não para glória de Deus, mas para sua própria glória. Seu serviço pode ser feito por razões erradas, por razões egoístas. Você consegue pensar em algumas? Ter reconhecimento, sentir poder, ficar mais perto daquele crush, estar em destaque, ser visto, exibir conhecimento… Viu? O serviço pode ser idólatra. Tem gente que ama mais o serviço do que a Deus. Tornar o ministério um ídolo é muito comum, até em pastores e músicos. Uma pergunta para avaliar o coração aqui é: “Você continuaria fazer o que você faz se ninguém ficasse sabendo?”

5. Assumir o compromisso com determinado serviço na igreja e não o honrar também é uma reação egoísta ao serviço. Quando você assume a responsabilidade de fazer uma tarefa, de estar lá, existem muitos irmãos contando com você. E quando você não prioriza esse trabalho, alguém terá que fazer por você. É claro que imprevistos acontecem, mas você pode assumir para Deus que foram realmente razões legítimas? Avalie seu coração.

Perceba que em todos esses casos que eu descrevi a deturpação está justamente em ter retirado o foco de Deus. O nosso pecado nos faz olhar o tempo todo para nós e não para o nosso Senhor.

O Rei veio para servir, não para ser servido

A solução não é você parar de servir, mas servir pela razão correta.

Como fazer isso?

A resposta está em Cristo Jesus, que desceu do seu trono, o Rei dos Reis, com todo seu poder, grandeza, majestade e glória se fez homem e ao vir “não veio para ser servido, e sim para servir e dar sua vida em resgate por muitos” Marcos 10.45. Jesus veio para servir e você veio para se tornar mais parecido com Ele.

Como filhos desse maravilhoso Senhor, nós devemos espelhar sua luz. Deus usa seus filhos e por meio deles trabalha até agora. Que honra e que alegria é Deus dar a cada pessoa um dom que deve abençoar o corpo de Cristo. Seja com sua hospitalidade abrindo sua casa para a família da fé; com sua bela voz para adorá-lo; com sua capacidade de fazer algo difícil como é tocar instrumentos; com esse seu dom tão difícil que é ser alguém que se atenta verdadeiramente às necessidades dos irmãos; com sua sabedoria de exortar os irmãos com amor; com toda dedicação e amor que você doa seu tempo e conhecimento para aconselhar; com a força de colocar cadeiras no lugar; com sua delicadeza para escolher flores para o púlpito; com sua paciência e dedicação no preparo de dias para ensinar nas aulas da EBD; com seu carinho em estar alí perdendo o culto para cuidar de bebês e permitir que outras mães possam assistir à pregação; com as horas que você passa preparando slides ou editando vídeos e áudios para irmãos ouvirem a pregação depois.

Sabe quem vê tudo o que você faz?

Ele vê. Ele sabe.

Deus sabe.

E você sabe que Deus te oferece diversas oportunidades de serviço. Não as ignore.

É importante que você se lembre que serviço não é opcional ao crente. E tampouco é a “parte ruim e chata da vida cristã.” É uma forma projetada por Deus para te fazer ficar mais parecido com ele. Jesus não ficou esperando fazerem coisas por ele; ele foi e se desgastou pelos outros. Ele, em amor, se doou pelo bem estar dos seus. Servir é uma obrigação sim, mas mais do que isso, é um privilégio do crente. É algo que vai ser difícil, mas tbem vai ser um deleite. Num mundo onde cada vez mais as pessoas correm para o “cada um por si”, a ação do crente é “um por todos e todos por um.”

O corpo de Cristo deve se cuidar servindo uns aos outros e aos de fora. Nós testemunhamos de Cristo perante o mundo, pois pelo amor é que somos reconhecidos. E se você se pergunta qual o benefício para você de servir, seu benefício é ficar mais parecido com Jesus.

Nota da autora: Este texto foi base para uma palestra que dei para as mulheres da Igreja Presbiteriana do Jardim

Por: Ana Paula Nunes 

Ana Paula Nunes é formada em Comunicação Social e pós-graduada em Política e Estratégia. Congrega na Igreja Presbiteriana Semear em Brasília, DF e é editora do Literatura & Redenção. Atualmente trabalha com comunicação no Governo e já trabalhou também como gerente de marketing na Editora Monergismo. Costuma escrever outros textos em medium.com/AnaPaulaNunes.
Auto
AACC-MS
www.midianewsms.com.br
© Copyright 2013-2020.