Bolsonaro quer descartar PSL para se reeleger, diz Bivar
Quarta-feira, 09 de Outubro de 2019    13h32

Bolsonaro quer descartar PSL para se reeleger, diz Bivar

Fonte: Wanderley Preite Sobrinho / UOL
Foto: Divulgação/PSL
Jair Bolsonaro e o presidente do PSL, Luciano Bivar

 

Alvo de ataques recentes do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o fundador e presidente do PSL, Luciano Bivar, afirmou hoje ao UOL que a intenção do capitão reformado é "descartar" o partido para tentar se reeleger em 2022.

"No mundo político não dá para entender tudo. (...) Bolsonaro é muito intuitivo. No momento que ele tem o sentimento de que é hora de descartar o PSL para ser reeleito, então é uma estratégia", afirmou Bivar à reportagem no início desta tarde.

O presidente do PSL evitou relacionar a intenção de Bolsonaro em "descartar" a legenda aos escândalos envolvendo candidaturas laranjas no PSL. "Talvez seja [por isso] na cabeça dele. Eu não sei, como vou entrar no mundo subjetivo do presidente?", disse. "Talvez seja uma estratégia pessoal."

Ontem (8), Bolsonaro orientou um apoiador a esquecer o partido e que não divulgasse um vídeo no qual citava Bivar dizendo que o deputado está "queimado". "Esquece o PSL, tá ok? Esquece", afirmou o presidente.

Apesar da declaração de Bolsonaro, Bivar adotou tom conciliador e afirmou que não conversou com Bolsonaro depois da polêmica de ontem porque "estava em viagem e em compromissos oficiais".

Bivar também afirmou que pretende continuar apoiando o governo e que preferia perder sua eleição no ano passado a ver "Jair perder a dele".

Apreço pelos filhos do presidente

Bivar também disse que gosta dos filhos do presidente e que não desembarca do governo mesmo com a saída de Bolsonaro do partido. "Os filhos deles ajudam o partido. Sempre que ouço algo é de respeito a mim, acho eles muito humildes", afirmou. "Eu preferia ter perdido minha eleição a Jair perder a dele."

 

"Estou tranquilizando a bancada. A gente não vai arredar um milímetro em nossa conduta de apoiar o governo e as reformas. O PSL tem um programa, não é um acidente político. Somos um partido liberal que respeita as instituições e não se presta a atacar pessoas e instituições.
Luciano Bivar, presidente do PSL

 

Bivar disse ainda que não ofereceu o partido ao presidente. "Ele que veio ao partido. Eu ficava fulo quando nos colocavam no saco de partido de aluguel".

Questionado, disse que não pretende punir Bolsonaro caso ele desista de deixar a sigla. "Não teve nenhuma oferta fisiológica dele ao partido; foi isso que me passou credibilidade em aceita-lo no PSL. Ele não tem nenhum comprometimento de traição porque a coisa foi feita em cima de ideais de mudar a estrutura do país."

Debandada do PSL

O deputado negou ainda preocupação com uma possível debandada do partido. "Eu não sei se é um tiro fatal [ao PSL] a saída de Bolsonaro. (...) O que menos importa pra mim é o fundo partidário, é uma gama imensa de candidatos que não veneram os mesmos princípios. O PSL vive há 20 anos."

AACC-MS
Colégio
www.midianewsms.com.br
© Copyright 2013-2019.