Pratique derrotar suas distrações
Sexta-feira, 04 de Outubro de 2019    06h41

Pratique derrotar suas distrações

Fonte: Voltemos ao Evangelho
Foto: Divulgação

A distração não é derrotada em alguns golpes, mas em muitos, pequenos e habituais. Portanto, não vou prometer oferecer, em mil palavras, uma espada mágica que pode matar o “Dread Dragon da Distração” em três ou quatro ataques simples. Não descobri tal espada e não acredito que exista.

Em primeiro lugar, o que me dá alguma autoridade sobre a questão da distração? Não é meu conhecimento em manter o foco, mas meu conhecimento em me distrair. Se minhas observações e autoavaliações são precisas, estou no lado “acima da média” do espectro distraído. Eu conheço essa luta interior e a luto diariamente.

Esperar lutar diariamente é uma mentalidade necessária para que a luta seja vencida. Distração não é um simples inimigo; deve ser combatido em numerosas frentes. A vitória é alcançada não por um glorioso golpe de estado de determinação, mas pela insurgência lenta do desenvolvimento de hábitos redutores de distração.

A velocidade de Deus

No entanto, isso provavelmente vai requerer, de nossa parte, uma “recalibração” das expectativas. Nós, filhos da era da alta tecnologia e informação, e netos da era industrial e de manufatura, achamos cada vez mais difícil apreciar a velocidade de Deus. Aprendemos a avaliar a eficiência em rapidez, quantidade e custo. Produza algo desejável rápido, em grande escala e barato, e o resultado será sucesso. Também aprendemos a valorizar a disponibilidade e a desvalorizar a durabilidade.

Mas quando Deus constrói as coisas, ele geralmente leva muito tempo (pelo menos da nossa perspectiva) para fazê-lo. E o que ele constrói, ele constrói para durar. Considere como ele nos projetou. Precisamos de aproximadamente nove meses desde a concepção até o ponto em que podemos sobreviver fora do útero. Então, precisamos de aproximadamente duas décadas adicionais antes de adquirir maturidade, conhecimento e habilidades desenvolvidos o suficiente para vivermos independentemente de nossos pais.

E como nossa maturidade, conhecimento e habilidades são adquiridos durante essas duas décadas? Através de repetição rigorosa. A memória muscular e de informações são desenvolvidas e sustentadas através do árduo processo da prática diária e habitual.

O lento milagre diário

Agora, sabemos que Deus às vezes emprega poder milagroso para provocar mudanças instantâneas na vida das pessoas. Libertação e dádivas de cura são aspectos muito reais do reino de Deus nesta era. A Bíblia ainda nos ordena a sinceramente desejá-los e buscá-los (1Coríntios 12.31). Acredito que se os desejássemos e os procurássemos mais, eles ocorreriam com mais frequência.

No entanto, todo o testemunho das Escrituras e da história redentora nos diz que mesmo quando são mais frequentes, transformações milagrosas e instantâneas são sempre excepcionais (raras) nesta era, não normativas. A maioria de nossas curas será experimentada através de processos relativamente lentos com os quais Deus maravilhosa e sabiamente equipa nosso corpo. E a maioria de nossas libertações será experimentada através de processos relativamente lentos (às vezes frustrantemente) com os quais Deus equipa maravilhosa e sabiamente nossas mentes e almas – substituindo reações habituais de crença em promessas enganosas e acusações de condenação, por reações habituais de fé na verdadeira promessas e aceitação graciosa de Deus.

Falamos muito sobre os hábitos da graça em Desejar a Deus, porque as rotinas constroem e moldam o caráter, a habilidade, o afeto e a criatividade humanos. As escrituras ensinam e a história reforça que as rotinas habituais de meditação bíblica, oração e comunhão na igreja são os principais meios graciosos de Deus para nossa transformação. Roma não foi construída em um dia. Nós também não. Somos construídos lenta, incrementalmente, minuciosamente, tijolo por tijolo, dia após dia, ao longo do tempo – na velocidade de Deus.

O que as distrações lhe dizem

Deus quer que sejamos libertados do efeito fragmentador da distração infrutífera (Lucas 10.40). Ele quer que nos concentremos no que é mais importante (Lucas 10.41,42). Mas é muito improvável que recebamos uma solução rápida, porque há mais distrações do que costumamos perceber. De fato, temos muito a aprender com tudo o que está acontecendo em nós quando somos tentados a nos distrair.

Primeiro, as distrações frequentemente nos dizem o que amamos, confiamos e tememos. Gravitamos em torno dos desejos que ansiamos e nos afastamos dos medos que desejamos evitar. Ouça o que suas distrações familiares (habituais) estão dizendo. Em que você está buscando alegria? Em que você está procurando abrigo? Do que você está tentando escapar?

As distrações também nos dizem onde formamos maus hábitos mais cedo na vida que ainda não abordamos adequadamente. Alguns maus hábitos devem-se ao crescimento de sistemas familiares desfeitos, e outros são hábitos indulgentes que formamos na juventude ou adolescência, pelos quais devemos agora estar maduros o suficiente para assumir a responsabilidade.

As distrações também podem nos dizer realidades biológicas com as quais devemos lidar: TDAH, TOC, depressão crônica, transtorno bipolar e outras doenças. Os tratamentos com medicamentos supervisionados por um médico especializado podem ser de grande ajuda, mas também precisamos cultivar ativamente novos hábitos para mitigar os efeitos de uma biologia desordenada.

O que suas distrações estão lhe dizendo? Registre-as conforme você as observa por duas ou três semanas. Você não lutará com elas até que saiba o que as está abastecendo. Distrações alimentadas por diferentes amores ou medos desordenados, biologia ou velhos hábitos comuns exigem estratégias de batalha habituais diferentes.

Treinado pela prática constante

Hábitos saudáveis ​​são estratégias. Se resoluções são nossos objetivos (resultados desejados), hábitos são nossas estratégias. Ou, para usar uma metáfora diferente, o mecanismo de nossa determinação deve funcionar nos trilhos de nossos hábitos. A resolução só pode viajar até onde os trilhos dos hábitos foram estabelecidas.

Hebreus 5.14 diz exatamente isso: “Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática, têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal”.

Esse versículo ajuda a definir nossas expectativas. A maturidade espiritual é o objetivo; prática constante é o meio.

Quando jogávamos futebol no ensino médio, todos os jogadores se divertiam. Poucos de nós gostamos dos exercícios monótonos de construção de habilidades. Ninguém que eu conhecia gostava dos exaustivos exercícios de condicionamento. Mas nossa capacidade de vencer jogos foi em grande parte determinada pelo quão arduamente nos esforçamos na prática.

A prática constante é a única maneira de desenvolver e manter qualquer habilidade em qualquer coisa, incluindo a habilidade de distinguir entre foco produtivo e distração infrutífera.

Mas como?

Sim, mas o que fazemos para praticar constantemente resistir à distração? Eu disse a você que não tinha soluções prontas para oferecer. E nem a Bíblia tem. Você já reparou que ela raramente nos dá instruções claras e práticas? Por que será?

Uma razão, acredito, é que nossos comportamentos são motivados por fatores divergentes e complexos, e, portanto, as fórmulas são tipicamente de ajuda marginal. O que me ajuda pode não ser muito útil para você.

Mas outra razão é que o difícil processo de lutar por ambiguidades, resistência interna e confusão faz parte do próprio treinamento. Aprendemos coisas necessárias sobre nossos afetos, fraquezas e corpos. O processo difícil acaba gerando benefícios de maior fé, sabedoria e perseverança que se estendem muito além da questão da distração.

Se pedirmos a Deus, ele nos dará o que precisamos nesta luta (1Coríntios 10.13; Filipenses 4.19). Mas devemos ter em mente: todos os aspectos da luta pela fé são uma luta (1Timóteo 6.12). Precisamos desenvolver perseverança (Hebreus 10.36). Precisamos aprender a disciplinar e controlar nosso corpo (1Coríntios 9.27).

Deus não está preocupado apenas com a maneira mais eficiente de nos libertar da distração. Ele está preocupado com o que produzirá o fruto espiritual maior e mais duradouro em nossa vida. Portanto, em espírito de oração, tente derrotar a distração através da insurgência lenta e constante da construção de novos hábitos, um de cada vez.

Por: Jon Bloom

Jon Bloom é autor, membro do conselho e co-fundador do Desiring God. Ele e sua esposa moram em Twin Cities, Minneapolis-Saint Paul, com seus 5 filhos.
AACC-MS
Colégio
www.midianewsms.com.br
© Copyright 2013-2019.