Delegação africana conhecerá áreas marinhas protegidas
Segunda-feira, 05 de Agosto de 2019    07h15

Delegação africana conhecerá áreas marinhas protegidas

Comitiva de Moçambique vem ao Brasil para trocar experiências e aprender com o modelo brasileiro de Unidades de Conservação e gestão participativa da pesca artesanal sustentável.

Fonte: ICMBio
Foto: Enrico Marone/Rare
Pesca artesanal na RESEX Caeté-Taperaçu

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade receberá, de 5 a 14 de agosto, uma delegação de Moçambique para conhecer áreas marinhas protegidas e iniciativas de pesca sustentável nos estados do Pará e em Pernambuco. O encontro faz parte do intercâmbio de cooperação técnica entre o ICMBio, o Ministério do Mar, Águas Interiores e Pesca de Moçambique e a Rare, uma organização ambientalista, para troca de experiência e aprendizado sobre as Unidades de Conservação e o modelo de gestão participativa da pesca artesanal no setor costeiro e marinho brasileiro. A missão vai visitar a Área de Proteção Ambiental (APA) Costa dos Corais e o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Nordeste (Cepene), no litoral sul de Pernambuco; e também, em Belém, a Reserva Extrativista Marinha de São João da Ponta, no Pará.
 

Promover a troca de experiências entre os governos moçambicano e brasileiro, junto com organizações do terceiro setor, vai permitir que os modelos de sucesso do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e do manejo sustentável de Áreas Marinhas Protegidas sejam levados ao continente africano. A intenção é melhor a gestão costeira do país africano e que recentemente foi atingido pela passagem do ciclone Idai. As boas práticas de pesca e do espaço costeiro e marinho no Brasil poderão ser replicadas em Moçambique servindo como referência de um sistema de gestão compartilhada dos recursos pesqueiros.
 

Deste intercâmbio participarão representantes das seguintes organizações: Projeto SWIOfish, Administração Nacional de Pescas de Moçambique (ADNAP), Instituto Nacional de Desenvolvimento da Pesca e Aquicultura (IDEPA), Instituto Nacional de Investigação Pesqueira (IIP), Administração Nacional de Áreas de Conservação (ANAC), Direção Provincial de Pescas Sofala, todos de Moçambique, além da Rare Brasil, Rare Moçambique, WWF e Banco Mundial. A iniciativa da Associação Rare do Brasil, que vem implementando o programa Pesca para Sempre no país desde 2015.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) relacionados:

AACC-MS
Colégio
www.midianewsms.com.br
© Copyright 2013-2019.